Fundamentos e aplicações do Allium cepa como bioindicador de mutagenicidade e citotoxicidade de plantas medicinais.

Luciana Rodrigues Lessa, Mateus Curty Cariello da Silva, Fernanda de Melo Regazio Cariello

Resumo


O uso de plantas medicinais é muito difundido no Brasil, este meio terapêutico pode ser muito eficiente, contudo sua administração deve ser realizada com cautela.  Todos os dias, pessoas procuram auxílio médico com sintomas de intoxicação por ingestão de compostos provenientes de ervas consideradas curativas e não são raros os casos de óbito relacionados ao uso dessas substâncias.  Para garantir o uso seguro das plantas medicinais deve-se submetê-las a testes de citotoxicidade e mutagenicidade, porém pouco foi estudado nesse sentido.Comumente para realizar essa testagem, os pesquisadores lançam mão de bioindicadores que podem ser bactérias, microcrustáceos, insetos e vegetais como é o caso do Sistema Teste Allium cepa, cujo nome vulgar é cebola. Este último sistema é considerado pela literatura como o bioindicador ideal da citogenotoxicidade de infusões de plantas medicinais, pois possui confiabilidade comprovada através de certificado em órgãos internacionais, é um item universal, de baixo custo, cultivável o ano todo, possui rápido desenvolvimento de células e cromossomos grandes.A metodologia do Sistema Teste Allium cepa é simples e de fácil execução. Essas características o elegem como o instrumento preferido pela comunidade científica para um primeiro screening da citogenotoxicidade de infusões de plantas medicinais.


Palavras-chave


Medicinal Plants, bioindicator, cytotoxotoxicity.

Texto completo:

PDF

Referências


BAGATINI, M. D.; SILVA, A. C. F.; TEDESCO, S. B.; Uso do sistema teste de Allium cepa como bioindicador de genotoxicidade de infusões de plantas medicinais. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2007.

BUENO, A. C.; PIOVEZAN, M.; Bioensaio toxicológico utilizando Artemia salina: fatores envolvidos em sua eficácia. Instituto Federal de Santa Catarina. 2015.

CORREIA, D. S.; SIQUEIRA, E. A.; ARAÚJO, S. S.; SILVA, C. M. A.; SILVA, M. V.; BRASILEIRO-VIDAL, A. C.; Avaliação do potencial tóxico, citotóxico e genotóxico do extrato foliar de Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan por meio o sistema teste Allium cepa L. UFPE, Recife, PE. 2014.

FACHINETTO, J. M.; BAGATINI, M. D.; DURIGON, J.; SILVA, A. C. F.; TEDESCO, S. B.; Efeito anti-proliferativo das infusões de Achyrocline satureioides DC (Asteraceae) sobre o ciclo celular de Allium cepa. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2007.

NEVES, C. S.; Pfaffia glomerata Spreng. Pedersen (Ginseng brasileiro): Citogenotoxidade no ensaio de Allium cepa L. Universidade Federal de Juiz de Fora/ JF. 2013.

PASTORI, T.; KUHN, A. W.; TEDESCO, M.; HOFFMANN, C. E.; NEVES, L. A. S.; CANTO-DOROW, T. S.; TEDESCO, S. B.; Ação genotóxica e antiproliferativa de Polygonum punctatum Elliott (Polygonaceae) sobre o ciclo celular de Allium cepa L. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. 2015.

PINHO, D. S.; STURBELLE, R. T.; ROTH, M. G. M.; GARCIAS, G. L.; Avaliação da atividade mutagênica da infusão de Baccharis trimera (Less.) DC. em teste de Allium cepa e teste de aberrações cromossômicas em linfócitos humanos. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2008.

POLETTO, P. O.; DINIZ, A. P.; BERNARDON, B.; ZAN, R. A.; RAMOS, L. J.; MENEGUETTI, D. U. O.; Análise da mutagenicidade do extrato hidrossolúvel de Derris rariflora (MART. EX BENTH. J. F. MACBR: FABACEAE), Timbó amazônico,através do teste de micronúcleo em Allium cepa. Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA/Ariquemes/RO. 2011.

SILVA, B. M.; NISHIMUTA, H. A.; SANTOS, E. T. B.; COSTA, C. D. N. G.; ROSSI, A. A. B.; Sistema teste de Allium cepa como bioindicador de citotoxicidade de substâncias usadas na conserva de Olea europaea L. UNEMAT/AF. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.22280/revintervol10ed3.294

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.