Avaliação poder de inibição da acetilcolinesterase promovido pelo praguicida aldicarbe e seus metabólitos utilizando método enzimático de triagem rápido, seguro e de baixo custo.

André Rinaldi Fukushima, Nicolle Gilda Teixeira de Queiroz Hazarbassanov, Virginia Martins Carvalho, Adriana de Siqueira, Everton Barbosa Bertaglia, Vagner Gonçalves Junior, Maria Aparecida Nicoletti, Paulo Cesar Maiorka, Helenice de Souza Spinosa

Resumo


As intoxicações letais, estão comumente relacionadas com a área médico-legal; alguns xenobióticos ocupam lugar de destaque como os principais responsáveis pela ocorrência de intoxicações sendo de amplo conhecimento que os praguicidas, como o aldicarbe, são responsáveis por intoxicações exógenas, intencionais ou não intencionais, em virtude de sua ampla toxicidade e dificuldade para realização de análises toxicológicas em amostras biológicas. Para tanto, foi empregada a metodologia enzimática desafiando a enzima acetilcolinesterase com o aldicarbe e seus metabolitos por meio do ensaio de Elman’s objetivou-se no presente estudo a avaliação do poder de inibição da acetilcolinesterase pelo aldicarbe, bem como por seus metabolitos de forma comparatavia. Como resultados, pudemos observar o ensaio de Elman’s foi efeitivo em verificar o potencial de inibição da enzima acetilcolinesterase do aldicarbe e seus dois metabolitos ativos, o aldicarbe-sulfoxido e aldicarbe-sulfona mostrando que o aldicarbe tem um elevado poder de inibição da enzima, seguido pelo aldicarbe-sulfoxido e posteriormente pelo aldicarbe-sulfona. Portanto, pode-se concluir que existe potencial para o desenvolvimento de um método de triagem com a finalidade de sugerir a presença de agentes anticolinesterásicos, contribuindo para um diagnóstico rápido, bem como em casos de morte suspeita de intoxicação, auxiliando no diagnóstico da causa da morte.


Palavras-chave


Aldicarbe, metabolitos, teste enzimático.

Texto completo:

PDF

Referências


MOLINA, D. Agrotóxico utilizado como chumbinho é retirado do mercado brasileiro, ANVISA, 2012 Acesso em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/anvisa+portal/anvisa/sala+de+imprensa/menu+-+noticias+anos/2012+noticias/agrotoxico+utilizado+como+chumbinho+e+retirado+do+mercado+brasileiro Acesso em: 12 maio 2015.

LESSENGER,J.E., REESE, B.E., Rational use of cholinesterase activity testintng in pesiticide poisoning. J. Am. Board Farm. Pract 12, 307-314, 1999.

BALLARD C. G., GREIG N. H., GUILLOZET-BONGAARTS A. L., ENZ A., DARVESH S. Cholinesterases: roles in the brain during health and disease. Curr. Alzheimer Res. 2, 307–318, 2005

WEINER D. M., LEVEY A. I., BRANN M. R., Expression of muscarinic acetylcholine and dopamine receptor mRNAs in rat basal ganglia. Proceedings of National Academy of Science of the United States of America. 87 (18), 7050–7054, 2009. doi: 10.1073/pnas.87.18.7050

ELLMAN G. L., COURTNEY K. D., ANDRES V. JR., FEATHERSTONE R. M., A new and rapid colorimetric determination of acetylcholinesterase activity. Biochem. Pharmacol. 7, 88-95. 1961

MARQUES, C. V. V. C. O.; MARQUES, P. R. B. O.; NUNES, G. S. Biossensores acetilcolinesterase mutantes. Acta Toxicol. Arg., v. 13, p. 1-7, 2005.

PICÓ M. A, BLASCO C, Y., Last trends in pesticide residue determination by liquid chromatography-mass spectrometry. Trend Environ Anal Chem 2, 11-24, 2014.

JÄRVINEN P. P., A. FALLARERO, S. GUPTA, G. C. MOHAN, A. I. HATAKKA, AND P. M. VUORELA, “Miniaturization and validation of the Ellman's reaction based acetylcholinesterase inhibitory assay into 384-well plate format and screening of a chemical library,” Combinatorial Chemistry and High Throughput Screening, vol. 13, no. 3, pp. 278–284, 2010.

BURGESS LW, SUMMERELL BA, BULLOCK S, GOTT KP, BACKHOUSE D. Laboratory manual for Fusarium research. Sydney: University of Sydney;. 116–117. 1994




DOI: http://dx.doi.org/10.22280/revintervol10ed3.288

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.